sexta-feira, agosto 19, 2005

Achados em Aljezur

Placa com inscrição do Corão descoberta no ribât da Ponta da Atalaia, perto de Aljezur, é uma pequena placa rectangular de xisto, com uma frase do Corão escrita por um monge-guerreiro há 900 anos

«Maomé esteve no meio de nós, mas Alá é maior, dá saúde e fortuna». Estas são palavras da primeira sura do Corão, gravadas por mão inábil numa placa de xisto, descoberta esta semana nas ruínas do ribât da Ponta da Atalaia, no litoral de Aljezur.

Os arqueólogos Mário e Rosa Varela Gomes contam que a placa rectangular de xisto, com cerca de 25 centímetros de comprimento por 10 de largura, foi encontrada durante os trabalhos de escavação de um dos muros derrubados naquele antigo ribât ou fortaleza-mosteiro.

A inscrição está escrita em árabe do século XII, percebendo-se claramente a palavra «Alá». A sua transcrição é ainda preliminar, já que foi feita por dois muçulmanos residentes em Aljezur, um deles professor de ténis. Rosa Varela Gomes foi esta semana a Lisboa precisamente para levar a placa e pedir a um especialista em língua árabe para confirmar a tradução feita.

O mais interessante desta plaquinha com 900 anos é que, como explicou Mário Varela Gomes ao «barlavento», se trata «da primeira inscrição em árabe que aparece em Aljezur e uma das raras encontradas no Algarve». É, seguramente, a primeira descoberta no ribât da Ponta da Atalaia e, contrariamente a outras, «esta tem um claro contexto religioso».

Além desta placa de xisto com a inscrição religiosa, as escavações no ribât de Aljezur já permitiram encontrar outros objectos religiosos, como os dois tubos-amuletos, que conteriam «pequenos troços de papel ou pergaminho, com frases do Corão», e ainda três rolos de chumbo, um deles descoberto pelo próprio Varela Gomes, no ano passado, ainda escondido numa fenda entre as pedras da parede da mesquita principal da fortaleza-mosteiro.

O arqueólogo recorda o paralelismo com o ribât de Guardamar, em Espanha, onde as paredes das mesquitas conservam «grafitos incisos» com frases corânicas.

No caso da Ponta da Atalaia, o arqueólogo considera que a frase deverá ter sido inscrita na placa por um monge-guerreiro, relativamente iletrado, já que se trata de uma «escrita popular», sem grande requinte.
Teria sido, assim, uma espécie de voto religioso feito por esse remoto muridum ou monge-guerreiro, que depois terá metido a placa na parede da mesquita, para ser encontrada agora, entre os destroços do muro derrubado, 900 anos depois.

«Seria um muridum que resolveu demonstrar publicamente a sua devoção, uma pessoa que dominava mal a escrita, o que pode estar de acordo com a condição da maioria dos monges-guerreiros que habitaram o ribât da Ponta da Atalaia, a par dos eruditos», como o seu fundador Ibn-Qasi, considerou Varela Gomes.

Tal como ainda hoje acontece nas madrasas, as escolas corânicas de todo o mundo, no século XII «aprendia-se a ler escrevendo frases do Corão e lendo frases do Corão».


Noticia em
Jornal do Barlavento online

1 comentário:

  1. Lindo a história não deixa de nos surpeender...

    http://www.aempatia.blogspot.com/

    ResponderEliminar